sexta-feira, 29 de abril de 2011

Universidade e Democracia


Esta semana recebemos uma grande notícia vinda do nosso vizinho “de cima”: Anísio Brasileiro foi eleito reitor na Universidade Federal de Pernambuco. Uma vitória das forças mais consequentes da UFPE, visto que Anísio representa a consolidação de um projeto avançado para a Universidade, que está em consonância com o que vem ocorrendo em todo o país. Parabéns mesmo aos estudantes, professores, funcionários, enfim, todos os que construíram essa vitória!


Aqui em Alagoas também foi iniciado o processo de consulta na UFAL. Em um contexto político semelhante, destaca-se a candidatura do atual vice-reitor Eurico Lobo, que se propõe a avançar no projeto iniciado pela Reitora Ana Dayse. Esse projeto é o responsável por importantes avanços na UFAL, em especial a interiorização da Universidade, impulsionada pelo REUNI do Governo Federal. É um novo momento também onde se concretizam bandeiras importantes do movimento estudantil, como o aumento de bolsas e novos Restaurante e Residência Universitária.

Nos meus seis anos de Universidade, participei de duas “eleições”, momentos que ficaram marcados pelo engajamento e entusiasmo de toda a comunidade acadêmica. Porém, há uma coisa que infelizmente poucos sabem, mesmo os que participam ativamente desses processos “eleitorais”. As “eleições” são na verdade, consultas à comunidade acadêmica. Assim é porque ainda hoje, incrivelmente, a legislação regulamenta a escolha do reitor da Universidades Federal de uma maneira retrógrada: a Universidade Indica a lista tríplice, que deverá ser encaminhada ao Ministro da Educação, o qual “escolherá” dentre os três nomes aquele que mais lhe agrada para ocupar o cargo de Reitor (a). Isso mesmo, ainda não existe eleição direta pra Reitor nas Universidades Públicas do Brasil. E todos aqueles que votaram em Anísio e votarão nas eleições da UFAL estão sendo apenas consultados, quem decide mesmo é o Ministro.

Manifestação na USP
Absurdo? Também acho. Por isso é de grande importância apoiarmos o projeto de Reforma Universitária, apresentado pela UNE ao Congresso Nacional, que defende a eleição direta pra Reitor em todo o País. É inadmissível que a Universidade Brasileira, grande referência para a ciência e a democracia no País, continue sendo regulada por normas atrasadas e antidemocráticas. Precisamos expurgar para sempre esse espírito da “Era Militar” das nossas Universidades.


 Viva a Democracia!

 P.S.1 Muito boa a escolha da cor vermelha para a campanha do Profº Eurico. Com ela Anísio venceu na UFPE!

P.S. 2 Pra quem acha que consulta e eleição é a mesma coisa, vale lembrar o caso da UFRJ, onde em 1998 o professor Aloisio Teixeira, vencedor da consulta, foi preterido pelo último colocado da lista, por determinação do Ministro da Educação de FHC, Paulo Renato. O reitor imposto da UFRJ permaneceu no cargo até o final do seu mandato, ainda que sob violentos protestos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário