segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Quero andar de bonde



Não se pode negar o esforço feito pelos governos de forças progressistas que dirigem Pernambuco para encontrar saídas pro caos do transito da região metropolitana. De medidas corajosas a exemplo da inversão do fluxo de boa viagem, a caxangá e sua paralela até mesmo medidas que servirão de exemplos ridículos como a desagradável ‘obra’ da avenida conde da boa vista.

Não sou daqueles que acham que o problema é a existência de muito carro, que todo mundo hoje em dia tem um carro, não penso assim. Acho que as pessoas têm que ter seus automóveis, passear com a família, sair de rock com os amigos e até ir trabalhar. Acredito que nosso problema principal está na política de transporte de massa de qualidade.

Vejo com entusiasmo as intervenções que o governo de Pernambuco apresenta, com terminais integrados, corredores exclusivos e vias elevadas para ônibus. Tá massa. Mas é para ônibus. Sempre vi o centro do Recife com glamour, mesmo diante de tanta desorganização causada pelos ambulantes e pela extravagância do seu transito. Praticamente todas as linhas de ônibus do grande Recife passam pelo centro.

Desde 1999, quando deixei minha querida Petrolina pra morar no Recife, sonho em ver e andar de bondinho, como antigamente, circulando no centro da nossa capital ligando a “Estação Recife” a diversos pontos turísticos e comerciais. Desobstruir a Av. Conde da Boa Vista, usar a AV. Mário Melo (uma avenida inútil hoje em dia) e exterminar a existência de ônibus no centro fazendo-os retornarem do Derby e do parque 13 de maio.

O bonde elétrico no Recife foi oficialmente lançado no dia 13 de maio de 1914. Acompanhou o progresso, as mudanças socioeconômicas, a moda, as ascensões e quedas de governos. Com a segunda grande guerra, foi ficando mais complicada reposição de peças, motores elétricos, lâmpadas, madeiramento para os bancos, etc. O desaparecimento desses coletivos, que tantos e tão bons serviços prestaram aos recifenses, foi um processo lento e moroso. Enquanto foi possível manter o serviço, mesmo em condições precárias, o povo usou o bonde até sua extinção total no final dos anos de 1950.

É preciso requalificar os trens, modernizar os metrôs e o velho bondinho. Falo isso, porque luto e acredito num avanço civilizacional no nosso país. Uma metrópole que beira os 4 milhões de habitantes não pode estruturar seu sistema de transporte urbano baseado especificamente em ônibus, é preciso retomar o sistema de transporte via trilhos abandonado no século passado.

2 comentários:

  1. Ossi, o bairro do Recife talvez seja o local onde teria cabimento a volta do Bonde, ainda assim após um estudo bem feito de como circulariam os ônibus atuais, locais de estacionamento dos carros, etc.

    Já "exterminar" os ônibus do centro seria um absurdo total. As pessoas teriam que descer do busão e pegar o bonde (com todo o atraso que isso causaria)? Iriam a pé? De bike? De skate?

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Quisera eu também Maceió possuir essa alternativa de transporte. Aqui as obras do VLT, que serviu de "palanque" até pra Senador se eleger, se arrastam e VLT que é bom nada até agora. As cidades mais modernas do Brasil e do Mundo contam com os bondes elétricos, metrôs, VLT´s e etc. Tá na hora de a gente poder contar tb neh!

    ResponderExcluir